7 dicas preciosas para criar Insights com Pesquisas

O jogo da pesquisa on mudou. No passado, pesquisa de mercado era focada em coletar dados e entregar informações. Pesquisas ainda precisam gerar dados, mas agora também precisam entregar Insights (ideias, novas propostas, novas e súbitas compreensões para um determinado produto ou serviço). Então, aqui estão sete dicas para criar Insights:

Veja como gerar Insights com Pesquisa online

Crie insights com pesquisa esclarecendo a a “real” questão.

  • Saber a pergunta certa é meio caminho para resolver o problema. Para descobrir a verdadeira questão normalmente você vai precisar falar com as pessoas relevantes; perguntando coisas como “Com o que o sucesso se parece?” e “Quais as ações que gostaria de tomar uma vez que você tem essa resposta?”.

Descubra o que é conhecido e que está disponível.

  • É provável que existam múltiplas fontes de informação, incluindo pesquisas de mercado, relatórios, dados transacionais, conhecimento corporativo, as mídias sociais e muito mais. Qualquer nova pesquisa deve trabalhar com o que já é conhecido.

Descubra o que as pessoas esperam que os resultados sejam.

  • Descobrir isso tem duas vantagens, 1) você pode testar ( confirmar ou refutar) estas crenças durante a pesquisa e análise, 2) você precisa saber isso para que você possa entender corretamente se os resultados são notícias boas ou são más notícias.

Saiba se os resultados são bons ou ruins.

  • Quase todas as pesquisas devem produzir um resultado bom ou ruim. Se você não sabe se o resultado é bom ou ruim (ou bom, com ressalvas ou ruim com alguns elementos aproveitáveis), você provavelmente não sabe a ‘ real ‘ causa. A maneira como você entrega boas e más notícias é diferente, a narrativa é diferente, e a quantidade de material adicional necessário é diferente. Se um resultado é bom ou ruim, vai depender da informação encontrada e que as pessoas queriam dizer com as informações fornecidas.

Concentre-se na grande história antes de mergulhar nos detalhes.

  • Descubra o que a maioria das pessoas pensa, antes de olhar para segmentos. Quais marcas / conceitos foram melhores e quais foram piores. Obtenha o “sentimento” de todas as mensagens fortes que apareceram na pesquisa.

Não fale para o cliente tudo o que você sabe. Apenas dê a resposta para o problema dele.

  • Todo o resto das descobertas pode ficar disponível caso o interesse, mas fique em compartilhar o que eles querem/ precisam saber.

Crie uma história que, quando simplificada, ainda pareça correta.

  • Se a história é que 90% das pessoas gastam do seu novo produto, então simplifique para “a maioria das pessoas gosta do seu produto“- assim mesmo. Porém, se a história for que 10% das mulheres gostam do seu produto e 20% de homens também gostam, não simplifique para “Isso é melhor para os homens” – pois seria uma má simplificação, já que ignora 80% dos homens que não gostaram do produto.

Dica BônusSe você está entregando ao cliente uma má noticia, não á relacione apenas aos fatos. Você terá de ter bons argumentos – tanto á nível emocional quanto com fatos concretos – para fazer o seu cliente mudar sua forma de pensar. Costumo iniciar a apresentação com um ponto em que o cliente aceita as conclusões obtidas e construir a partir daí. Por exemplo, pense em um caso em que um cliente pensa que 80% dos homens irão gostar de um novo determinado produto, e eu descobri que na verdade apenas 10% pensam como ele, ou seja, gostaram do produto. Eu poderia começar falando sobre os homens que gostaram do produto, o porquê gostaram e etc. Então eu digo que, embora estes homens possam ser visíveis  na pesquisa, verificou-se que eles eram apenas 10% da população. Então eu iria passar a olhar para o cenário maior e fornecer as minhas recomendações. Ao estruturar a minha história desta forma eu não tenho que começar com alguma versão de algo como “Você está errado”!

Esse texto também pode te interessar: Como definir metas e objetivos em uma pesquisa de mercado.

Crie sua primeira pesquisa on-line
Comece em 30 segundos. Não é necessário cartão de crédito.